A Polícia Civil de Itaquaquecetuba começou por volta das 13h desta terça-feira (22) a reconstituição do assassinato do casal Rosemeire Aparecida Pereira, de 17 anos, e Rafael dos Santos, de 18, que foi morto, esquartejado e enterrado no quintal da casa de um dos criminosos. A residência onde foram localizados os corpos fica na Rua das Orquídeas, 63 no Jardim Viviane. O cozinheiro Alexandre Eduardo da Silva Brito, de 38 anos, e a dona de casa Maria Barbosa Porto dos Santos, 55 anos, foram indiciados pelos crimes . Eles foram detidos nesta segunda-feira (21) pela Polícia Militar após uma denúncia.


Um adolescente de 15 anos, sobrinho de Alexandre, também ajudou a enterrar os corpos. Ele foi entregue para sua responsável e deve ser apresentado ao Fórum da cidade. Alexandre foi indiciado por homicídio triplamente qualificado, cometido por motivo torpe e uso de crueldade não possibilitando defesa, além de ocultação de cadáver e corrupção de menores. Já Maria Barbosa foi indiciada por ocultação de cadáver e corrupção de menores.

Crime
O casal relatou à polícia que se conheceu em rituais de candomblé e umbanda. Alexandre era dono de um terreiro de candomblé e Maria Barbosa de umbanda. Segundo contaram à polícia, certo dia a mulher pediu ao amigo para abrigar o jovem Rafael, que não tinha família. Após alguns meses, Rafael trouxe para morar na casa de Alexandre sua namorada na época, Rosemeire.

Segundo Alexandre disse à polícia, começaram a sumir objetos de sua residência, o que ele atribui a dupla. Em meio a tudo isso, o cozinheiro citou que tem problemas neurológicos atestados por médicos e ouvia vozes. Essas vozes o atormentavam, dizendo que ele precisava matar para se tranquilizar.

Outra parte da história
A dupla ainda informou à polícia que Maria Barbosa havia sido abandonada pelo marido, que teria fugido com uma amante. Diante disso, ela sempre pediu a Alexandre para fazer um "trabalho" para trazer o amado de volta.

Em meados de novembro, Alexandre resolveu atender à solicitação da amiga. Ele contou à polícia que estava perturbado e aproveitando que Rafael não estava em casa, matou Rosemeire com uma barra de ferro. Na sequência, ligou para Maria Barbosa trazer uma foto da amante de seu marido e fez um ritual após esquartejá-la. Maria presenciou o ato e ajudou Alexandre a enterrar a moça em uma cova aberta no quintal do cozinheiro. Um sobrinho do homem, adolescente de 15 anos, também cooperou para ocultar o cadáver.

Segundo homicídio
Após alguns dias, quando Rafael, que não morava mais na casa do cozinheiro, uma vez que tinha terminado o namoro com Rosemeire, voltou e sentiu a falta da jovem, mas nada fez. No início de dezembro então, em mais um dia em que ouvia vozes, Alexandre pegou uma enxada, foi até o quarto onde Rafael dormia e lhe acertou duas vezes na cabeça. Seu sobrinho, que estava na casa, ouviu o barulho e foi até lá. Mais uma vez ele ajudou ao tio a enterrar o corpo, que assim como o de Rosemeire foi esquartejado.

Problemas neurológicos
Ainda durante o depoimento Alexandre informou que é cozinheiro em um hospital conceituado de São Paulo e que exames recentes por ele realizados, teriam acusado problemas neurológicos.

Fonte :  G1.com